Nara tem tudo a ver com Nara Leão

8 jun

Maria Lúcia Candeias, especial para o Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

O musical "Nara" em cartaz no Teatro AugustaEm primeiro lugar Nara, em cartaz no Teatro Augusta apenas quartas e quintas-feiras, é uma peça musical que homenageia a musa da Bossa Nova. Foi escrita por Márcio Araújo e Fernanda Couto (que também interpreta a protagonista). Totalmente baseada em dados da vida da cantora, consegue ser tão gentil e delicada como ela foi e apresentar alguns de seus maiores sucessos.

Fernanda além de cantar de forma muito semelhante a da personagem, apresenta o tempo todo gestual delicado e, aparentemente tímido, como o dela, com feminilidade igual.

Todas essas são características que mostram porque ela foi considerada a musa do movimento. Pra quem não sabe ou não se lembra, a bossa nova se insurgiu contra o excesso de melodrama que caracterizava os samba-canções e suas letras na época antecedente, o batuque talvez um tanto desenfreado dos sambas do período e o vozeirão dos cantores que acentuava o exagero das emoções retratadas.

A atriz Fernanda Couto vive a "musa da bossa nova", Nara Leão

Nara, assim como João Gilberto, era bossa nova no jeito de cantar e agir, mesmo longe dos microfones. É claro que a turma que ficou apelidada de velha guarda não gostou à princípio. Quem viveu aquele momento deve lembrar da antipatia inicial até de um músico brilhante como Ary Barroso, por aquela geração cantando tão mansinho e mais mexendo os olhos e o rosto do que requebrando. O autor da Aquarela do Brasil, cansou de ironizar esses então jovens “com voz de apartamento” no programa de TV que comandava na época.

A ponto de Carlos Lyra compor uma música querendo se livrar de Influência do Jazz. Pois Nara, de aparência tímida como a bossa, começou a gravar justamente os sambas de Zé Ketty e Cartola, com a mesma aparente inconsciência e delicadeza que sempre foi sua marca registrada e a de João Gilberto.

Posteriormente se enturmou com a jovem guarda e a bossa não a acompanhou. O espetáculo apresenta tudo isso e muito mais graças à maravilhosa atriz/cantora e aos três músicos impecáveis e talentosos: Rogério Romera, Silvio Venosa e Rodrigo Sanches.

Isso sem citar a eficiente direção de Márcio Araújo (também autor já citado) do como sempre ótimo diretor musical de Pedro Paulo Bogossian, Vale mencionar ainda os figurinos de Cássio Brasil e a cenografia de Valdy Lopes tudo muito discreto e de bom gosto, como o da protagonista e da bossa em si.

Todo mundo que foi ver gostou muito, ou como eu, amou.

Destaco como um único senão, o fato de não citarem o nome do Sivuca durante o espetáculo. Foi ele que compôs a melodia de João e Maria. O saudoso Sivuca além exímio sanfoneiro, era uma pessoa de uma alegria e de um humor inigualáveis. Duvido que Chico Buarque tivesse escrito “agora eu era herói e meu cavalo só falava inglês”, não fosse em parceria com Sivuca, o grande brincalhão.

NARA– Augusta – sala principal, rua Augusta, 943, Consolação/telefone 3151-4141/ 302 lugares/quarta e quinta às 21 horas/ Ingresso R$ 3O/6O minutos/ Livre/ até 24-6/Ing. pelo telefone 2163-2000 ou pelo site” http://www.ingressorapido.com.br”

AS FOTOS SÃO DE LENISE PINHEIRO

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: